Transporte e armazenagem de pneus

O transporte e armazenagem de pneus requer o conhecimento de alguns procedimentos que é sempre bom relembrar. São regras simples mas muito importantes para a segurança dos profissionais que trabalham diariamente com pneus.

Os pneus são construídos com diversos materiais apropriados, entre os quais a borracha, cujas excelentes características específicas garantem o melhor desempenho do pneu.

Mesmo assim, todos os componentes do pneu e este no seu todo têm os seus inimigos, dos quais os amigos do pneu - utilizadores, distribuidores e reparadores, entre outros - o deverão proteger, para que o seu desempenho possa ser o mais fiável possível e a sua duração tão rentável quanto o pretendido.

De facto, o pneu e os seus materiais constituintes são afetados pelas condições de utilização do veículo a que pertencem e antes disso pelas suas próprias condições de transporte e armazenamento. Condições incorretas de armazenamento, tanto na fábrica, como nos distribuidores, importadores ou retalhistas, podem efetivamente afetar de tal modo o pneu, que ele acaba por ceder, nos momentos de maior stress.

Isso representa um risco elevado de segurança e uma perda económica considerável para o utilizador final do pneu, o automobilista, resultando, justamente, no inverso do que se pretende, que é um serviço de valor acrescentado para o consumidor. Se não existir esse serviço de excelência ao consumidor, toda a cadeia de valor do pneu acaba por ser prejudicada, porque vende menos unidades e presta menos serviços de manutenção.

O correto armazenamento de um modo geral visa proteger o produto e garantir o seu valor patrimonial de stock. No caso dos pneus, esse valor depende de muitos fatores ambientais adversos, entre os quais podemos encontrar os raios solares, o ozono (molécula dupla de oxigénio) a humidade, calor excessivo, os hidrocarbonetos derivados do petróleo e outros fatores potencialmente agressivos para o pneu.

O próprio tempo de armazenamento acaba por ser também um fator contrário, porque há elementos do pneu que envelhecem, entre os quais a própria borracha.

Os pneus desmontados devem ficar armazenados lado a lado uns dos outros, tanto na posição vertical, como horizontal. Esta posição ajuda os pneus a manterem a sua forma original, evitando que se estreitem ou alarguem em demasia.
A primeira grande ideia associada ao armazenamento deve ser portanto a gestão da rotação do stock, dando prioridade à utilização dos pneus com mais tempo de armazém.

Zonas de armazenamento
- Os pneus devem estar armazenados em zonas bem limpas, secas e com ventilação, mas sem circulação excessiva de ar. A diferença entre os dois conceitos é que a ventilação assegura a renovação do ar a uma taxa pretendida, enquanto que a circulação de ar sem controlo pode provocar vários inconvenientes, como a deposição acelerada de resíduos, transporte de humidade ou gases nocivos, secagem forçada, etc.

- A zona de armazenamento deve estar a uma temperatura amena e com sombra ou mesmo sem luz natural solar.

- Armazenar sempre os pneus longe do solo, para evitar derrames de água ou outros produtos, bem como impactos de meios utilizados na movimentação do stock, como as paletes ou os monta cargas, entre outros.

Erros graves a evitar
- Nunca armazenar pneus em locais sujos, húmidos e sem ventilação adequada.

- Evitar sempre o contacto do pneu com combustíveis, lubrificantes e solventes.

- Não deixar nunca os pneus em locais excessivamente quentes e/ou com exposição direta aos raios solares.

- Temperaturas extremamente frias também devem ser evitadas nos locais de armazenamento de pneus.

- Evitar armazenar pneus junto com motores eléctricos, carregadores de baterias, geradores, equipamentos de soldadura e outras fontes de formação de ozono. Se tiver dúvidas, faça um teste ao local, que não deve exceder as 0,08 ppm (partes por milhão).

- No exterior, nunca deixar os pneus em contacto com superfícies asfaltadas e de outros materiais que absorvam calor.

- Evitar deixar os pneus em superfícies altamente reflexivas, como a areia ou a neve.

- Nunca deixar os pneus expostos em locais abertos sem qualquer proteção.

À saída do armazém
Antes de montar um pneu que esteve armazenado, efetuar uma completa verificação profissional do mesmo, a fim de comprovar que o pneu está devidamente limpo, seco, não tem objetos estranhos dentro e não apresenta nenhum defeito ou dano. Pneus incorretamente armazenados podem apresentar os defeitos visíveis. Os quatro últimos dígitos do número de identificação do pneu DOT (TIN) indicam a semana e o ano em que o pneu foi fabricado.

Ao montar o pneu novo no veículo, este deve estar à pressão recomendada pelo construtor do veículo. Os pneus de reserva compactos (mais finos) têm pressões especificadas mais elevadas que os pneus comuns.