Slogan da Pirelli comemora 25.° aniversário

"A potência sem controlo de nada serve". Este slogan, lançado há, exatamente, 25 anos, identificou a Pirelli a nível mundial.

A empresa italiana dedicou o seu Relatório Anual de 2018 a esta famosa frase, celebrando a efeméride com as reflexões de três escritores internacionais, uma peça audiovisual e uma coleção de imagens que abordam as suas múltiplas interpretações.

O lançamento do slogan "A potência sem controlo de nada serve", realizou-se em conjunto com uma campanha que ilustrava Carl Lewis, fotografado por Annie Leibowitz, na clássica posição do velocista nos tacos de saída da prova de 100 metros, calçando uns sapatos vermelhos de tacão alto.

A fotografia, realizada no Texas em 1994, é um ícone da criatividade publicitária e transmite uma mensagem que permaneceu vigente com o passar dos anos pela sua grande vinculação com o produto final: o pneu.

Ao mesmo tempo, foi superado os limites do campo material, porque numa viatura, como na vida, "a potência sem controlo de nada serve".

Esta reflexão intemporal tem interpretações inesgotáveis e ainda hoje inspira homens e mulheres de qualquer geração a encontrarem um equilíbrio entre dois elementos, à "priori", contraditórios.

Este exercício de síntese também implica os três autores que participaram no Relatório Anual Pirelli de 2018: Adam Greenfield, Lisa Halliday e J.R. Moehringer.

Cada um deles interpretou os significados da potência e do controlo em outras esferas relacionadas com a Pirelli: tecnologia, desporto e cultura.

A fotografia de Carl Lewis com o slogan "A potência sem controlo de nada serve" inaugurou uma campanha publicitária com tanto êxito, que ainda hoje identifica a Pirelli.

25 años

Depois da imagem de Annie Leibowitz, no ano seguinte Gerard di Tame dirigiu um anúncio de televisão em que Carl Lewis participou numa louca corrida repleta de efeitos especiais através do skyline de Nova Iorque.

As últimas fotos desta prova revelam o segredo: a planta do pé de Lewis parece o piso do pneu Pirelli P6000.

A Pirelli associou a sua imagem a Carl Lewis até 1996. No ano seguinte, a atleta francesa Marie-José Pérec, então a mulher mais veloz do mundo, ocupou o seu posto.

Nesta ocasião, o novo spot foi filmado sob um cenário com gelo, lava e monstros marinhos, perigos que a velocista desejava evitar, de novo ajudada pelo desenho de um pneu Pirelli.

O Relatório Anual da Pirelli transformou-se desde 2010, devido à contribuição de numerosas personalidades internacionais dos mundos da arte e da cultura.

Esta edição foi ilustrada por fotografias dedicadas à sustentabilidade por estudantes da Nova Academia de Belas Artes (NABA), em Milão. No ano seguinte, a Memória integrava 18 imagens do artista Stefan Glerum.

Em 2012, a cartoonista nova-iorquina Liza Donnelly ficou encarregue de enriquecer a publicação e, em 2013, o escritor e guionista Hanif Kureishi reuniu 10 talentos internacionais para repensar o conceito da "roda" sob o projeto denominado "Spinning the Wheel".

Em 2014, a arte urbana contou com o Relatório Anual Integrado da Pirelli, com obras da brasileira Marina Zumi, German Dome e do russo Alexey Luka, expostas no HangarBicocca.

No ano seguinte, a Pirelli contratou o artista russo Pokras Lampas, um expoente da escrita moderna, a interpretação do valor de ser "único" a partir de dois conceitos: escrita e impressões digitais. O volume foi intitulado " Every Mark is unique" (cada marca é única).

Em 2017, a Pirelli usou o Relatório Anual para explicar a transformação digital da empresa em "Data meets passion", baseada na história de cinco artesãos 4.0 que utilizam tecnologias digitais para expandir as suas respetivas empresas.

O conteúdo artístico e literário do volume foi o trabalho de Emiliano Ponzi, em conjunto com três escritores de prestígio internacional: Mohsin Hamid, Tom McCarthy e Ted Chiang.

Também pode gostar de ler