A importância do online

A venda de pneus online apesar de ainda ser residual em Portugal é uma tendência crescente e o futuro do setor passa pelas lojas online B2C, tendo por base a oferta de ligação às oficinas físicas 

A internet está a alterar de forma muito expressiva os hábitos de consumo dos portugueses, que realizam cada vez mais compras online. O extraordinário desenvolvimento do digital em Portugal abre hoje novas oportunidades de crescimento para as empresas e para os negócios. 

É inegável que a internet está a ganhar um protagonismo crescente enquanto meio preferencial de consumo, em detrimento da televisão, da rádio e dos jornais. A sua influência na perceção dos consumidores sobre as marcas e os produtos é cada vez mais relevante. Quatro em cada dez utilizadores de Internet europeus acredita que a forma como as marcas comunicam no meio online, é importante.

Segundo a Associação da Economia Digital, ACEPI, há um extraordinário desenvolvimento do digital em Portugal, nas mais diversas áreas, com uma mudança muito expressiva dos hábitos dos portugueses online e um crescimento no volume de compras. 

Provavelmente devido à retração do consumo, em termos gerais, por efeito da crise económica que persiste nos últimos anos, os consumidores tendem a procurar descontos e promoções online, dando à internet um protagonismo crescente enquanto meio preferencial para realizarem as suas compras.

Em apenas dois anos registou-se um crescimento na ordem dos 14%, relativamente ao total da população que está ligada à Internet em Portugal – 59% dos portugueses. E se o fazem para acederem às redes sociais, indicador onde Portugal lidera o ranking da utilização “para fins profissionais”, fazem-no também para adquirir produtos e serviços.

Em média, os portugueses fazem oito compras online por pessoa, no espaço de seis meses, gastando uma quantia (média) de 427 Euros por pessoa. Em 2020, o gasto médio por pessoa deverá superar os 1.000 euros. Viagens, roupa e acessórios, férias e bilhetes para espetáculos são os bens mais consumidos online.

A Internet tornou-se, pois, no principal meio de relacionamento das marcas com os consumidores, já que ajuda a escolher melhor os produtos/serviços que tencionam comprar. 96% dos utilizadores de internet na Europa pesquisa informação online antes de comprar, e 87% chega mesmo a realizar compras online.

De acordo com vários estudos, as compras online vão representar uma fatia cada vez maior nas transações comerciais. Ainda que as lojas físicas continuem a ser predominantes, a tendência para o online é uma realidade incontornável para as marcas e para a forma como comunicam com o seu consumidor. 

Os sectores onde as vendas online são mais relevantes são a eletrónica e telemóveis, bebés e brinquedos e casa/arte e decoração. 




Pneus online

Para além desta tendência crescente para as compras online há ainda uma outra realidade a que o setor dos pneus não pode ignorar: as compras que são estudadas e pesquisadas online antes de serem concretizadas nas lojas físicas. 

O sector dos pneus tem também acompanhado esta tendência crescente para o consumo online e em 2014 cerca de 10% das vendas na europa de pneus foram realizadas através de canais de e-commerce. 

Um estudo efetuado pela GiPA Portugal em 2015 sobre os condutores portugueses permitiu constatar que 89,1% dos condutores utiliza internet no seu dia-a-dia, e destes 54% utiliza várias vezes ao dia. 

O perfil do condutor que utiliza várias vezes por dia a internet tem entre 18 e 34 anos, é mulher, são profissionais técnicos, habitam nas cidades e tem conta as redes sociais (facebook, twitter, instagram…)

Segundo um estudo elaborado pela GiPA Portugal em 2014, cerca de 24% dos condutores utilizou a internet para procurar informações sobre acessórios auto, pneus, peças ou fazer comparações de preços para reparações. Destes, 8% utiliza a internet para comprar peças ou contratar serviços (uma ligeira subida comparado com valores de 2013 onde a percentagem era de 6%).  

No que se refere concretamente aos pneus, os números das vendas online são ainda pouco expressivos. Apenas 2% de todos os pneus comprados em Portugal são adquiridos online. Contudo, 16,2% dos consumidores informa-se online antes de se dirigir a uma loja física e efetuar a compra – sobretudo compara preços entre as várias ofertas disponíveis. 

Embora, comparado com a média europeia, estes números estejam abaixo, a verdade é que esta é uma tendência que tem vindo a ganhar relevância (em 2012 este valor era de 13,8%) e são claramente um indicador de mudança e de uma realidade incontornável para o setor e para os seus players. 

Sobre as razões que os consumidores evocam para não comprarem peças ou acessórios para o carro pela internet, desconhecer a qualidade do produto que se está a comparar é a situação mais referida, seguido das dificuldades técnicas na identificação do produto, e em terceiro lugar os receios sobre o pagamento. 

No que se refere concretamente à aquisição de pneus online, o preço aparece como a razão mais invocada: o preço da compra online não é suficientemente atrativo para compensar as desvantagens. Outras razões apontadas têm a ver com a entrega e transporte, confiança e segurança nas transações online, ou a preferência por um fornecedor local. 

De entre as vantagens apontadas para a compra online por parte dos consumidores são a facilidade de aquisição, a comparação imediata de preços e o preço reduzido. 

Efetivamente, a presença online com uma unidade dedicada ao e-commerce é encarada como uma forma de aumentar as receitas, para além de ser encarado como uma forma de melhorar o contacto com os clientes a que o setor dos pneus não pode ficar alheio.