G-Drive Racing e JMWMotorsport sagram-se campeãs com Dunlop

A G-Drive Racing sagrou-se campeã das European Le Mans Series 2017, após a última ronda, disputada no Autódromo do Algarve. No passado fim de semana, a equipa, com os pilotos Memo Rojas, Ryo Hirakawa e Léo Roussel, terminou em quarto no encerramento da temporada em Portugal com o seu chassis Oreca, o suficiente para garantir o título.

A G-Drive Racing subiu ao pódio em todas as corridas, exceto na última, com um registo na temporada que inclui uma vitória, três segundos lugares e um quarto posto. A United Autosports constituiu uma forte oposição até final da época, tendo vencido duas corridas (Silverstone e Red Bull Ring).

Os rivais na luta pelo título, também "calçando" pneus Dunlop, terminaram em terceiro com o Ligier, mas os pontos conseguidos não foram suficientes para anular a vantagem de 18 pontos de que a G-Drive usufruía antes do início da corrida. A Graff alcançou a segunda vitória consecutiva da equipa nas 4 Horas de Portimão, também num Oreca, terminando em terceiro lugar na classificação final do campeonato.

Estatísticas Dunlop em LMP 2 em 2017:
6/6 vitórias
18/18 pódios
6/6 voltas mais rápidas
5/6 pole positions
740/751 voltas lideradas

Os resultados ampliam o recorde da Dunlop para 17 vitórias consecutivas e nove títulos consecutivos nas ELMS. Na classe GTE da Dunlop, em que cinco equipas lutavam pela conquista do título durante a derradeira corrida, a Proton Competition venceu a prova, enquanto a JMW Motorsport ficou em segundo lugar, mas foi coroada campeã.

Um título que só se decidiu na última corrida. O título deste ano da JMW Motorsport talvez compense a perda do título do ano passado nos últimos momentos da corrida final. Portimão foi o quinto pódio da equipa nesta temporada das ELMS, incluindo uma vitória em Monza para o Ferrari F488 GTE pilotado por Rob Smith, Jody Fannin e Will Stevens.

A rival mais próxima foi a TF Sport, com o Aston Martin Vantage, que liderou a classificação durante toda a temporada e obteve cinco pódios. Outra aposta da Ferrari na luta pelo título foi o Spirit of Race F488 número 55, que obteve duas vitórias e três pole positions durante a época, mas que se viu forçado a abandonar a corrida com problemas mecânicos.