PRP apresentou estudo sobre manutenção dos automóveis

A PRP (Prevenção Rodoviária Portuguesa), a Escola Nacional de Saúde Pública e a Norauto Solidária apresentaram as conclusões de um estudo conjunto sobre a manutenção de automóveis ligeiros e a sua influência na segurança rodoviária em Portugal.

O estudo incidiu na análise de vários componentes dos veículos (pneus, amortecedores, travões e luzes), na aferição da perceção dos condutores sobre o estado dos respetivos veículos e na comparação com a avaliação dos técnicos da Norauto, bem como incluiu outras questões de segurança rodoviária, como a utilização do cinto de segurança, a perceção sobre o risco de acidente ou a participação em acidentes rodoviários.

Incluiu a avaliação técnica de 3.228 automóveis, realizada em todas as oficinas da Norauto em Portugal Continental, entre abril de 2016 e abril de 2017, ou seja, durante exatamente um ano.

Dos automóveis avaliados pelos técnicos, 23% apresentava pneus em estado mau ou sofrível. Em situação semelhante, estavam os travões de 16% dos automóveis, os amortecedores de 9% e as luzes de 5%.

Dados que são preocupantes, pois as deficiências destes equipamentos põem em causa a segurança do condutor e dos outros utentes. Mais de três em cada quatro condutores classificaram o estado de cada componente de forma semelhante à avaliação feita pelos técnicos: 76,4% nos pneus, 81,9% nos travões, 87,8% nos amortecedores e 91,1% nas luzes, revelando terem um bom conhecimento do estado dos seus veículos.

A condução sob o efeito de álcool, a velocidade e a fadiga (comportamentos do condutor), foram os fatores a que os condutores atribuíram maior influência no aumento do risco de acidente rodoviário. Entre os fatores relacionados com o automóvel, destacam-se o mau estado de travões e pneus, enquanto o mau estado do piso surge como o fator com maior influência nos indicados no que ao estado da via diz respeito.