“Temos objetivos claramente definidos”

Rui Chorado, administrador da Dispnal, espera que 2016 seja um ano positivo, especialmente nas vendas e no aumento de quota de mercado.

Como foi o desempenho da Dispnal em 2015?
O ano de 2015 foi ao encontro dos nossos objetivos, tendo registado um crescimento ao nível das vendas comparativamente com o ano anterior. No geral, a Dispnal aumentou as suas vendas devido a um acréscimo da carteira de clientes, que acabou por complementar as vendas de todo território nacional.

Sente que os seus clientes estão mais confiantes quanto ao futuro?
A confiança dos nossos clientes quanto ao futuro está a melhorar, tendo em conta que a nossa cultura empresarial tem sofrido diversas alterações às quais todos temos de adaptar-nos. A partir do primeiro trimestre de 2015, registou-se um reforço das perspetivas em todos os setores de atividade, englobando assim, os nossos clientes, que se mostram mais confiantes no futuro. Contudo, podem não alcançar o cenário pretendido, uma vez que os consumidores, mantêm as expectativas apenas sobre a evolução da poupança, deixando os investimentos/gastos para último caso.

Que apoio estão a dar aos vossos clientes, a nível de formação técnica e gestão?
Em parceria com os fabricantes que representamos, tentamos fornecer aos nossos clientes toda a formação/informação técnica de que dispomos sobre os nossos produtos, dando ainda apoio ao nível da imagem para que as nossas marcas possam ter o máximo de divulgação.

Quais a perspetivas para 2016 relativamente a novos projetos, vendas e investimentos?
Há uma particular atenção nestes três pontos, sobre os quais nos debruçamos diariamente. Como sabem, uma empresa só pode sobreviver se tiver os seus objetivos claramente definidos. Logo as nossas perspetivas para 2016 estão devidamente estudadas, mas como devem entender não vão ser divulgadas.
Apenas podemos afirmar que esperamos que o ano de 2016 seja positivo em todos os pontos, especialmente nas vendas e no aumento de quota de mercado.

Que medidas entende serem prioritárias para garantir a sustentabilidade das oficinas de pneus em Portugal?
Como é do conhecimento público, o segmento de pneus está totalmente alterado, podendo mesmo afirmar que quando iniciamos a distribuição de pneus, esta era apenas vocacionada para as casas da especialidade. Atualmente, as casas de pneus foram obrigadas a instalar serviços de mecânica rápida e, por seu lado, a oficina teve a necessidade de introduzir a montagem de pneus no seu leque de serviços.

Em que áreas as oficinas de pneus devem investir a fim de se tornarem mais competitivas?
Tendo em conta o estado da nossa economia, as oficinas de pneus devem estar em constante atualização, principalmente a nível da evolução tecnológica, terem capacidade de stock de acordo com a procura atual e estarem a par das novidades do setor.

Que segmento de pneus considera ter mais futuro?
Atualmente, todos os segmentos de pneus são importantes. É óbvio que o segmento de ligeiros tem um peso superior no volume de vendas de algumas casas de pneus. Contudo, não podemos esquecer a importância dos restantes segmentos: pesados, agrícola, industrial e engenharia, sendo, em muitos casos, estes segmentos os que mais têm sofrido com crise económica do nosso país.

Que argumentos deve apresentar o distribuidor de pneus para ter sucesso?
O maior benefício que o distribuidor de pneus pode apresentar é ser competitivo, baseando-se nos seguintes pilares: oferta de preço/qualidade e disponibilidade de entrega imediata de acordo com as necessidades dos seus clientes.