“Fornecedor global para as oficinas”

Manuel Félix, administrador da Euro Tyre, afirma que a empresa é, atualmente, um fornecedor global para as oficinas e está apta a fornecer pneus, consumíveis para pneus (pesos, remendos, colas, massas), todo o tipo de peças auto, lubrificantes e equipamentos para oficinas de pneus e de mecânica.

Como foi o desempenho da Euro Tyre em 2015?
Em 2015, a performance de vendas foi ligeiramente afetada por rutura de stock relacionada com o facto de o dólar estar muito forte. No entanto, na segunda metade do ano já foi possível recuperar e, no final do mesmo, apresentámos uma ligeira recuperação.

Sente que os seus clientes estão confiantes quanto ao futuro?
É difícil responder a essa pergunta. Os índices de confiança, pelo que vejo, ainda continuam fracos mas nota-se que o mercado está mais estabilizado. A crise provocou uma limpeza nos agentes de mercado, o que veio beneficiar a saúde financeira de muitas empresas.

Que apoio estão a dar aos vossos clientes?
Os pneus são uma área que não exige muito em termos de formação técnica. Ao nível da gestão os clientes foram "obrigados" a saber gerir melhor, pois a banca assim o exigiu. No entanto criámos algumas ferramentas, como um site de vendas online (B2C) que oferecemos aos nossos clientes para que eles possam ter uma presença cibernauta e, assim, aumentar o tráfego nas suas oficinas.

Quais a perspetivas para 2016, relativamente a novos projetos, vendas e investimentos?
Em termos de vendas, esperamos crescer ligeiramente. Já no que diz respeito a projetos, é onde está a grande novidade da Euro Tyre. Iniciámos já a venda de peças auto e, neste momento, fechámos completamente o ciclo no que diz respeito às necessidades que as oficinas têm. Hoje, a Euro Tyre é um fornecedor global que está apto a fornecer todo o tipo de peças para as oficinas.

Que medidas entende serem prioritárias para garantir a sustentabilidade das oficinas de pneus em Portugal?
Qualquer medida que se tome agora não causará muito impacto. Deveria existir uma mudança de mentalidades nos empresários, com um aumento da qualidade de gestão dos mesmos. No entanto, destacaria uma medida, que considero que poderia ter algum impacto: a criação de um técnico responsável dentro da empresa. Tal como as farmácias têm um diretor técnico, acho que as oficinas deveriam ter, também, alguém com essas funções, que fosse obrigado a ter formação em gestão e na área técnica.

Em  que  áreas as oficinas de pneus devem investir a fim de se tornarem mais competitivas?
Claramente na diversificação de serviços. É com essa intenção que, hoje, a Euro Tyre posiciona-se como um fornecedor global para qualquer oficina.

Que segmento de pneus considera ter mais futuro?
A tendência é para os pneus UHP. No entanto, este mercado existe apenas nos grandes centros e, no total de vendas, apesar de estar a crescer, o número de unidades não é muito significativo.

Qual é, atualmente, o maior desafio para os distribuidores de pneus?
O desafio maior é o da rentabilidade.