José Coelho, Coordenador da rede Confortauto Hankook Masters em Portugal

Com 80 centros distribuídos pelo Continente e Ilhas, a Confortauto Hankook Masters é uma das maiores redes de oficinas do país.  O objetivo é crescer de forma organizada e terminar o ano com 90 centros instalados

A rede de oficinas Confortauto nasce em 1996 em Espanha através da Associação Confortauto sob a chancela do Grupo Soledad. É a primeira rede ibérica em pontos de venda. Em Portugal, o Grupo Tirso Pneus deu início ao desenvolvimento da rede em 2007. 

A Confortauto caracteriza-se por ser uma associação sem fim lucrativo, cujo único fim é a promoção dos seus associados. Mantém a liderança do mercado espanhol há quase 20 anos e desde 2011 possui uma parceria estratégica com a marca coreana Hankook em Portugal e Espanha implementando, desta forma, a rede oficial da Hankook.

Não obstante, é uma rede multimarca, pois tem uma oferta alargada, diversificada e ajustada ao mercado. Esta característica proporciona maior opção de escolha aos clientes finais através de diversas marcas (Hankook, Michelin, Pirelli, Bridgestone, Firestone, Goodyear, Dunlop, Continental, Sfhera, Kingstar, Farroad, InsaTurbo, etc.) em diferentes segmentos (premium, quality e budget).

Para além da oferta “offline” que detém através dos 80 centros espalhados por todo o país, desde 2010 que possibilita aos clientes comprarem “online”. Esta é uma forma fácil, cómoda e permite aos clientes saber mais sobre as marcas e produtos e a tomarem melhor as suas decisões no momento da compra. 

A rede tem como permanente objetivo, a evolução (através de programas de melhoria contínua), a rentabilidade dos seus associados e a fidelização dos seus clientes.

Em entrevista à REVISTA DOS PNEUS, José Coelho explica o posicionamento atual da rede no nosso país e as estratégias para o futuro.


Que tipo de serviços são prestados pelos aderentes?
A rede oferece um serviço integrado e de qualidade aos seus clientes. Oferecemos todos os serviços inerentes aos pneus (montagem, calibragem, alinhamento, reparações, etc.) e à mecânica rápida (mudança de óleo, travões, amortecedores, baterias, jantes, etc.). Uma parte significativa dos associados têm também serviço de mecânica geral. Adicionalmente, temos uma oferta “truck Service” onde garantimos assistência 24h a veículos pesados a nível nacional e internacional e dispomos de uma App Mobile que permite que o cliente saiba em tempo real o estado geral do seu veículo através de alertas no sentido de mudar os pneus, o óleo, a correia de distribuição, renovar o seguro, levar o carro à inspeção, etc. 

Estou seguro de que a Confortauto Hankook Masters proporciona uma oferta equilibrada e ajustada a qualquer tipo de empresa (frotista, renting, etc.) e ao cliente particular independentemente do segmento em que este se encontre.   


Quais as vantagens e mais-valias que a oficina tem ao fazer parte da vossa rede?
Ao fazer parte da nossa rede, os associados estabelecem um acordo que vai muito para além da relação de “fornecedor”. A nossa relação é de verdadeira parceria em todos os sentidos. Queremos ser o “colaborador externo” dentro da organização. Para isso, disponibilizamos desde logo, todo o tipo de assessoria técnica e organizacional aos associados se estes assim o pretenderem. 

Para além disso, as oficinas têm à sua disposição as mais diversas ferramentas de apoio ao seu negócio, tal como um site B2B onde estes podem de forma muito mais cómoda e rápida fazer e consultar todos os seus pedidos, um site B2C que estabelece um canal de apoio às suas vendas, call centre, acompanhamento pessoal personalizado, acesso a campanhas de sell-in e sell-out, imagem corporativa ao nível interno e externo, ferramentas de monitorização de performance, rappeis, prémios por objetivos quantitativos e qualitativos, acesso a marcas e produtos de qualidade, App Mobile de apoio aos clientes finais, etc. 

Adicionalmente, os centros Confortauto têm o acesso oficial à marca premium Hankook e recebem um plano de formação gratuito para que estes mantenham atualizadas todas as suas competências inerentes à gestão 360º da oficina.  


Que balanço faz da atividade da rede Confortauto em Portugal no ano 2014?

Para a rede Confortauto, 2014 foi um ano determinante. Crescemos 20% em número de associados, crescemos em volume de negócios, aumentamos a rentabilidade dos centros, cumprimos com a homogeneização da imagem das oficinas e prosseguimos com a estratégia de melhoria e evolução contínua. Este balanço positivo deve-se ao cumprimento da linha estratégica definida, mas acima de tudo à dedicação e capacidade de trabalho das pessoas que constituem esta rede.  


Diversificar é essencial
Creio que a maior parte das oficinas independentes, no mínimo já pensaram em fazer parte de uma rede. Com os atuais níveis de competitividade no setor, é pouco provável que no futuro próximo muitas oficinas se mantenham sem associação. De forma geral, as redes absorvem cada vez mais a grande fatia do mercado disponível e esta será uma tendência presente e futura.    

Acredito que as oficinas que poderão sobreviver de forma independente terão de usufruir de características especiais de mercado na sua zona de atuação, como por exemplo, zonas com fraca densidade populacional, reduzido parque automóvel, etc., caso contrário, se for efetivamente uma potencial zona para o setor, as redes estarão certamente atentas e aqueles terão bastantes dificuldades competitivas.  

As oficinas de pneus, tal como a maioria dos negócios deve diversificar para não correr o risco da dependência total por parte de um produto ou segmento. Assim, creio que é hoje difícil uma oficina ser rentável e sustentável apostando apenas em serviços de pneus. É necessário oferecer um serviço integrado, procurando colmatar todas necessidades inerentes ao setor automóvel, de forma a aumentar não só a rotatividade das visitas à oficina mas alternando segmentos de produtos com rentabilidades diferentes, evitando desta forma eventuais perdas de sustentabilidade provocado por oscilações num único produto.  

Presumo que, se as oficinas se adaptarem às novas exigências do mercado e tiverem uma oferta de produtos e serviços alargada e de qualidade, as ameaças estarão muito mais relacionadas com condições macro-económicas (não tendo grande margem para efetuar alterações de rumo) do que micro-económicas.  

O verdadeiro desafio é evitar com o maior rigor possível estas ameaças. Ou seja, as oficinas devem continuar a construir a melhor relação e fidelização com os seus clientes através da melhor oferta de serviços integrados, produtos e marcas de qualidade, apostar na melhoria contínua dos seus processos organizacionais e estar sempre atento aos dois itens fundamentais: gestão operacional e gestão estratégica. Estou seguro de que só assim é possível manter uma oficina sólida, rentável e sustentável.